top of page

Os impostos pagos na venda de um imóvel: entenda


A compra e venda de imóveis ocupa importante setor da economia em muitos países do mundo. No Brasil, não é diferente. A atividade proporciona um vasto mercado de trabalho com empregos diretos e indiretos, é relevante para o setor financeiro, é um tipo de investimento e, ainda, tem a relevante função de viabilizar a conquista da casa própria.

Outra importante função é a de natureza fiscal. Afinal, alguns tributos são cobrados sobre a compra e venda de imóveis, servindo como fonte de receita para os Municípios e a União, principalmente.

Estão, quais são os impostos que são pagos na compra e venda de imóveis? Para as pessoas físicas, o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o Imposto de Renda. Para as pessoas jurídicas, além dos dois acima citados, pode-se ter também a Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) e o PIS/COFINS.

O ITBI é um imposto municipal, ou seja, cada Município do país tem que ter uma lei estabelecendo a cobrança do tributo, em especial definindo a alíquota que vai ser paga.

Portanto, cada Município cobra um percentual (alíquota) sobre o valor que foi feita a compra e venda. Para ilustrar, em Curitiba-PR, o ITBI é de 2,7%. Ou seja, se o imóvel foi comprado por R$ 1.000.000,00, o ITBI será de R$ 27.000,00.

Importante destacar que o valor da base do imposto, hoje definido nacionalmente como sendo o valor do negócio feito entre as partes, antes podia sofrer algumas variações. Existia uma compreensão pelos municípios de que eles poderiam arbitrar o valor da base do imposto. Ou seja, se seu negócio tinha sido celebrado por R$ 900.000,00, muitos municípios simplesmente analisavam a compra e venda e podiam definir que o valor estava abaixo do mercado, podendo aumentar o valor da base para R$ 1.000.000,00, por exemplo.

Isso era bastante comum e implicava em um pagamento maior do ITBI do que o necessário. Com isso o Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu que a base deve ser a do valor do negócio, conforme o entendimento do julgamento do Tema 1.113/STJ.

Ou seja, a base passou a ser o valor da compra e venda (valor de mercado) de forma definitiva. Caso se tenha vendido um imóvel e tenha ocorrido a cobrança do imposto com base maior do que o valor do negócio, dentro dos últimos cinco anos, pode-se pedir a restituição do valor pago a maior.

No que se refere ao Imposto de Renda (IR), este pode ser cobrado caso se tenha obtido lucro com a venda do imóvel, ou seja, ganho de capital. Supondo que uma pessoa declarou em seu IR do ano base anterior que sua casa valia R$ 850.000,00 e que ela tenha vendido o mesmo imóvel por R$ 1.000.000,00 no ano corrente. Houve um ganho de capital de R$ 150.000,00, sobre o qual se cobra IR.

Existem algumas exceções para não se pagar tal imposto, são elas: 1) isenção para venda de imóvel residencial: se o imóvel vendido for residencial e o valor da venda for de até R$ 440.000,00 (valor válido para o ano de 2023), o ganho de capital estará isento de imposto de renda. No entanto, é necessário que o vendedor não tenha vendido outro imóvel nos últimos cinco anos utilizando essa isenção; 2) utilização do lucro para compra de outro imóvel residencial: caso o vendedor utilize o lucro obtido na venda de um imóvel residencial para adquirir outro imóvel residencial no prazo de 180 dias, também pode ser aplicada a isenção de imposto de renda sobre o ganho de capital. Essa isenção é conhecida como "ganho de capital na venda de imóveis residenciais" e possui algumas regras específicas; e, 3) venda de único imóvel com valor até R$ 35.000,00: se o vendedor possuir apenas um imóvel e o valor da venda for de até R$ 35.000,00, não há incidência de imposto de renda sobre o ganho de capital.

Por fim, contribuições que podem ser pagas pelas pessoas jurídicas na compra e venda de seus imóveis: CSLL e PIS/COFINS. Ambas variam conforme o regime fiscal da empresa e, as vezes, a atividade econômica desempenhada. Mas, caso uma pessoa jurídica venda um imóvel e obtenha lucro com essa operação, poderá dever pagar as contribuições mencionadas.

Por fim, destaca-se que não se está falando do ITCMD (Imposto de Transmissão causa mortis e doações), cobrado pelos Estados, pois este não incide na compra e venda de imóveis, mas sim na doação ou herança deixada por uma pessoa falecida.

A depender da operação que está sendo feita é importante que as partes estejam aconselhadas por um profissional para apontar as possibilidades e riscos fiscais na compra e venda de imóveis.

No Knopik & Bertoncini Sociedade de Advogados são acompanhados casos como os mencionados estrategicamente, indicando os procedimentos em conformidade com a lei para a solução mais eficiente e segura no pagamento dos seus impostos.

12 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page